Arquivos Mensais: abril 2008

Kotae wa kaze no naka

[youtube dNNhIRE2TMI]

Nemurenu yoru wo ikutsu kazuetara ore-tachi tadoritsuku darou
Dore dake no inochi nakushita toki arasoi wa owaru no darou
Rekishi no ue wo korogaru dake no sukuenai doukeshi-tachi
Itsuka dareka ga itte ta you ni
Kotae wa kaze no naka

Somuketa kao wo ikutsu utaretara kizukanu furi yameru no ka
Dore hodo no kurushimi ni taetara egao wa jiyuu ni naru no ka
Sabita kusari ni tsungareta mama mata shippo wo maku no nara
Itsuka dareka ga itte ta you ni
Kotae wa kaze no naka

Furishiboru koe to nigirishimeru sono te de
Unmei wa kitto kawaru toki wo matte iru
Chippoke-na ai no sasayaka-na chikara de
Kanashimi wa itsumo dakareru no wo matte iru

Uso no pazuru wo narabekaeteru aware-na petenshi-tachi
Fukiyousa wo kiyou ni furumau oroka-na romanchisuto-tachi
Rekishi ga nanimo kataranaku naru sonna hi ga kuru yokan ni
Itsuka dareka ga itte ta you in
Kotae wa kaze no naka

Furishiboru koe to nigirishimeru sono te de
Unmei wa kitto kawaru toki wo matte iru
Chippoke-na ai no sasayaka-na chikara de
Kanashimi wa itsumo dakareru no wo matte iru

Kyosuke Himuro – Calling

Outra de minhas favoritas. A tradução está mais abaixo. Outra daquelas músicas show de bola com uma letra danada que faz vc pensar na vida.

“Quantas noites insones você precisa contar antes de encontrar seu caminho?”

Ultimamente eu não tenho pensado nisso. Muito trabalho. No tempo que resta eu ando mentalmente preguiçoso ocupado com a pós-grad.

Tirei mini-férias de 2 dias e fui passear em SP. Muito divertido mas meu fígado voltou meio detonado 😀

Continue lendo »

Salve Jorge

São mais de 100 mesas espalhadas pelo salão que ocupa o térreo e o mezanino de um grande edifício localizado na Praça Antonio Prado. A decoração segue a mesma linha do bar da Vila Madalena, com fotos de vários “Jorges” famosos na parede, além de garrafas de cervejas antigas penduradas no teto.

O público é o mesmo que o da casa-mãe aos fins de semana. Porém, de segunda a sexta, profissionais dos mais diferentes ramos que trabalham na região tomam conta do lugar no horário de happy hour. As 19h, dificilmente se encontra uma mesa vazia. Para beber, a opção mais pedida é a cerveja servida em garrafas de 600 ml. Já para comer, o destaque fica por conta dos galetos. Vale lembrar que os que têm “Jorge” como nome de batismo recebem descontos variados na hora de pagar a conta.

Mais uma das aventuras de SP. Sábadão, 5 horas da tarde, eu e o Elfo passamos em frente desse enorme boteco. Eu convidei, ele topou. Fomos tomar uma no Salve Jorge.

O lugar é demais. Primeiro que é grande. Segundo que a decoração é muito bacana, com fotos de um monte de gente, altas imagens de São Jorge, aqui e ali e tem uma bela duma escada. E é um lugar de família, igual o Bar do Alemón, tinha até criança com os pais lá. E terceiro: Eles servem a cerveja num balde com gelo! Mó legal.

E preço é bom, viu? Recomendo!

Me senti o próprio Boêmio indo num lugar assim. Inclusive o bar me lembrou o gordinho, cantando “Bôemia, aqui me tens de regresso”. Temos que ir tomar uma lá qualquer dia desses.

Só de ficar aí parado já é perigoso.

Ele: Puta Merda.

Eu: Que foi?

Ele: Puta merda. Tá certo que quando eu resolvi pegar essa vaga de protetor, me avisaram para ficar longe dos desastrados e atrapalhados. Que era fria.

Eu: ahhahaahha.

Ele: Mas eu não dei ouvidos. Inclusive, achei que pegar um caso desses iria fazer até bem para a minha carreira como protetor. Imagina: EU consegui proteger o lado de um desastrado/atrapalhado e ele morreu de velho! De velho! Quando pintou a vaga eu já estava ouvindo os outros comentarem “Olha lá, aquele anjo ali conseguiu proteger um desastrado até ele morrer de velho”. Poutz, as vezes a gente faz umas escolhas na vida viu…

Eu: Mas eu nem fiz nada.

Ele: Nem fez nada? Poxa, eu não posso nem ir ali dar uma olhada em uma moça bonita que você já está arrumando uma forma de se matar!

Eu: Ah, pare de reclamar. Eu nem fiz nada.

Ele: E precisa? Você sendo o desastre ambulante que é, só de ficar aí parado já é perigoso.

Eu: É, essa foi quase.

Ele: Quase.

Eu: Mas não foi. E se fosse, seria muito sem graça. Não deu tempo nem de ver o filminho.

Ele: Filminho?

Eu: É. Aquele “minha vida passou na frente dos meus olhos”. Na verdade, seria meio que nem a Sucuiuiu: Não daria tempo nem de dizer “Ai Jisuis”.

Ele: Hahahahahaha. Será que eu consigo um extra no salário se eu listar todas as enrascadas das quais eu já tirei você?

Eu: Ahahaha. Sei lá. Vai ter que falar com o Homem. Hey Garçom! Traz mais duas absoluts aqui, para mim e outra pro meu amigo.

Estou eu bem tranquilo sentadinho no meu trabalho e toca o telefone. O chefe liga dizendo que é para eu fazer o teste que falta com a nova turbina que eu projetei. “É só ligar a máquina no trator, encher ela de água, e subir aquela ladeira de barro lá atrás do refeitório”. E lá fui eu e mais uma galera.


Mais ou menos assim. Mas como choveu a noite isso tava uma lameira só.

Montamos a turbina na máquina, montamos a máquina no trator e fomos até a ladeira. Ela é atrás do refeitório e começa numa calçadinha, que termina de repente e tem uns 20m de descida. Um descidão bonito.

O cara que tava pilotando o trator desceu a ladeira com ele numa boa. Fez a volta lá embaixo, que é plano, ligou a turbina da máquina e veio fazendo o maior barulho e subindo a ladeira. Bem na manha.

Um trator desse e um pulverizador com turbina desse tipo.

A primeira subida foi tranquilo. Chegando lá em cima o piloto pegou e seguiu até um bosque, que tem uma descida suave e que acaba no pé do ladeirão. E lá veio ele para a segunda volta.

O trator patinou um pouco quando chegou no final da subida mas tudo bem também. E lá foi ele para a terceira volta.

E aí o trator encalhou. Atolou naquela lameira. Jogava barro para tudo o quanto é lado. Em cima de mim, inclusive.

Agora fica a pergunta: Como vamos desencalhar um trator de 80cv e 2 tons dessa lameira? Ora, aqui a gente FABRICA trator. Vamos pegar outro e rebocamos esse.

E lá saiu correndo o estagiário atrás de um outro trator. Na correria ele pegou o primeiro que achou. Um trator pau velho, 1974, vermelho. Ele veio vindo, veio vindo e colocou esse trator de ré, bem no começo da subida, a uns 3 metros do outro.

Parou e eu entrei entre os dois e comecei a amarrar os cabos e cordas pro reboque.

Aí, só para a história ficar mais interessante, o tratorzinho vermelho ficou sem o quê? O quê?

Advinhou quem disse freio.

E ele veio vindo de ré, olha que divertido. Agora lembrem que eu estava ENTRE os dois.

Não perguntem como.

Eu não sei como eu saí dali.

Eu sei que uma hora eu estava no meio dos dois e na outra eu não estava e dois monstrinhos de 2 toneladas cada estavam se batendo.

O pior de tudo é que o trator pau velho nao conseguiu rebocar o trator atolado. 😛

Jogo do Currículo

Culpa da Danny 🙂

Já pulei do telhado de casa por ter sonhado com o Peter Pan (e que ele me dizia que “era verdade”!).

Já quebrei o pé aprontando em casa.

Já quebrei o ombro.

Já deixei meio bairro sem luz.

Já fiz meia excursão se perder.

Já pulei da sala de aula do primeiro andar pela janela.

Já andei fantasiado de pirata no colégio.

Já apanhei muito da mãe por aprontar na escola :P.

Já briguei na pré-escola até o outro menino desmaiar (e dei uma lancheirada só :O).

Já fui acobertado pelo meu Pai.

Já fui atropelado e contaram isso pro colégio todo.

Já matei aula e também contaram isso pro colégio todo (é. eu era relativamente popular, mas não da forma como as pessoas gostam de serem populares ahhahahaah)

Já ganhei um Jerico

Já vi Preto velho no Sitio.

Já quase morri de medo de assombração no mesmo sítio.

Já briguei em fliperama de boteco \o/

Já fui tarólogo.

Já fugi de casa e fui morar com a avó.

Já passei em faculdade na QUINTA chamada.

Já desisti de faculdade 3x.

Já reprovei em todas as matéria de um semestre.

Já realizei vários sonhos.

Já tomei ums tombos bonitos dessa vida.

Já tomei chuva.

Já tomei porre.

Já levei fora.

Já levei porrada.

Já perdi a fé na humanidade.

Já levantei com um mal humor tão grande que nem eu me aguentei e voltei a dormir.

Já ouvi várias vezes: ‘É uma cilada, Bino!’

E já cansei disso aqui.

Não gosto de falar sobre mim mesmo 😛 Só consigo lembrar das presepadas.

Incentivo

1. Nunca pilote mais rárido do que o seu anjo da guarda possa voar.
2. Tenha uma vida equilibrada: ande em duas rodas.
3. Primeiro Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, depois, vendo que estava só, criou a moto para leva-lo onde quisesse; em seguida criou belas estradas de pista dupla e loiras, morenas e ruivas para levarmos na garupa. Aí veio o diabo e criou o radar, os buracos e a sogra…
4. Motocicleta, é sempre o melhor veículo: nunca cabe a sogra!
5. JESUS andava de jumento, por que no seu tempo não existia moto, e por certo o cabeludo também iria gostar de rock´n roll.
6. Se você for motociclista, que Deus lhe abençoe, se não for Deus lhe perdoe.
7. Meninas boas vão para o céu. Meninas motociclistas vão a todos os lugares.
8. Viajando de carro você vê a paisagem; de moto faz parte dela.
9. A liberdade existe: fica entre a roda dianteira e a roda traseira.
10. WARNING ADVISORY: Ande sempre equipado.Lá no céu tem moto e você pode estar escalado para o encontro celestial de amanhã.
11. Moto na estrada, cerveja gelada, mulher pelada. Não precisa ser necessariamente nessa ordem..
12. Respeite a sinalização, menos a placa de 80 km/h.
13. Muitos falam sobre liberdade. Somente os motociclistas a conhecem de verdade!
14. Como vovô já dizia: Viajar é preciso; aguentar sua vó o dia inteiro não.
15. Estampa em camiseta de piloto de moto dragster : Quem gosta de motorzinho é dentista!
16. Você não pára de andar de moto porque fica velho. Você fica velho porque parou de andar de moto.
17. Barriga não!!! Porta capacete.
18. Jamais argumente com um caminhão de 18 rodas. Especialmente ao lado dele.
19. O melhor despertador, é o sol batendo nos cromados.
20. Se você não anda com chuva ou neblina, então não anda.
21. Mototerapia : uma boa viagem limpa sua mente, restaura a fé, e te mostra a beleza da vida.
22. A MELHOR DE TODAS : SOMENTE UM MOTOCICLISTA SABE PORQUE UM CÃO PÕE A CARA PARA FORA DA JANELA QUANDO ANDA DE CARRO.

Isso é para incentivar um certo amigo meu a se decidir e comprar aquela azulzinha.

\o/

Vagas abertas para o Motoclube da Mafia®

Quero que haja sempre uma cerveja em sua mão

[youtube MlgnKYsy-LI]

Ergam seus copos por quem vai partir
Longo será o caminho a seguir
Nada será como costuma ser
Nada vai ser fácil pra você

Não faça o mesmo que fez o seu pai
Não leve armas lá aonde vai
Tantos eu já vi pagando pra ver
Não dá tempo de se arrepender
Nada que já não deva saber
Não há nada que não possa ter

Quero que a estrada venha sempre até você
E que o vento esteja sempre a seu favor
Quero que haja sempre uma cerveja em sua mão
E que esteja ao seu lado, seu grande amor

Eu me despeço de todos vocês
Muitos aqui não verei outra vez
Fora o inverno e o tempo ruim
Eu não sei o que espera por mim
Mas pouco importa o que venha a ser
Se eu tiver um dia a quem dizer

Quero que a estrada venha sempre até você
E que o vento esteja sempre a seu favor
Quero que haja sempre uma cerveja em sua mão
E que esteja ao seu lado, seu grande amor

Minha experiencia com blogs começou com o “Blog da Mafia”. Foram mais de 500 posts (nao só meus) em um blog coletivo, de uma turba de amigos que estudaram junto, cheios de baboseiras, nerdices e piadas internas. O blog continua lá, sendo atualizado naquele sistema próprio, de total inconstância e pura aleatoriedade.

Depois de enjoar do “Blog da Mafia” eu fiz um blog sobre resenhas de filmes. O “Resenhas Rápidas”. Ainda continua ativo por esforço de um parceiro. A idéia do blog era resumir o filme em uma ou duas frases. “Resenhas mais apressadas que cavalo de carteiro” dizia a primeira versão do banner.

Depois do “Resenhas” eu me meti num projeto de informática, o “Mudando para o Linux”, que foi abandonado porque o meu HD aonde estava o instalado o Ubuntu queimou. Mas o mesmo amigo do Resenhas segurou a barra e agora eu voltei a postar lá.

Depois do resenhas eu comecei com o “Everlong”. A idéia era postar textos meus, fora do blog da máfia e que não estivessem relacionados nem com nerdices, piadas internas ou cinema. O “Everlong” seria um lugar para minhas maluquices musicais, meus pensamentos sobre pensamentos, ocultismo, música, ou ainda sobre a minha vidinha sem graça. O maior propósito disso aqui é atuar como um repositório, tipo: “Dicas para mim mesmo”. Não que sejam grandes fenômenos editoriais, mas pareciam idéias legais 😛

E qual a idéia do Matanza ali no começo do post você pergunta? Ahhhhh. Eu estou bêbado. Fiquei desparceirado nesse final de semana e resolvi tomar umas com os meus tios e meu velho, aqui na área Vip. A Área VIP é o nome que eu dei pra Churrasqueira nova que fizeram aqui em casa, toda style, protegida contra o vento e muito bem projetada (eu ajudei com o projeto :P). Foram 5 Skols Long Neck e duas caipiras de Vodka Natasha só para mim, claro. Tá um sacrifício acertar os acentos desse maldito texto. E todos estão convidados para uma rodada aqui. Tragam as bebidas que eu dou a carne.

Mas por quê tudo isso?

Primeiro pq Matanza é o que há em termos de música de Macho. E isso eu devo ao Dr. Love, por ter indicado essa pérola Musical. Meu Last.fm me diz que eu já ouvi mais do que 1.185 músicas da banda e eu posso dizer que já fui em dois shows e que é uma bela qualidade sonora.

Segundo porque esse post é uma resposta efetiva à convocação da Liga. Eu não poderia deixar de responder a algo dessa estirpe.


ao som de Matanza e contém Papo de Bêbado.

Nós estamos todos bêbados
Bêbados de cair
E todos que não estiverem bêbados
Dêem o fora daqui

Somos amigos em terra
Somos amigos no mar
Juntos fomos à guerra
Juntos estamos no bar

E terceiro, claro: Devo nada para ninguém, bebo se eu estiver a fim. Minha vida é minha e a sua é que se foda. Eu quero é cerveja estupidamente gelada servida por garçonetes com belos seios, cabelos dourados e bochechas rosadas. E se der briga no bar e der para quebrar as cadeiras nas costas de uns 2 ou 3, melhor ainda!

Bad Moon Rising

[youtube f2w5kffJnq8]

I see the bad moon arising.
I see trouble on the way.
I see earthquakes and lightnin.
I see bad times today.

Dont go around tonight,
Well, its bound to take your life,
Theres a bad moon on the rise.

I hear hurricanes ablowing.
I know the end is coming soon.
I fear rivers over flowing.
I hear the voice of rage and ruin.

Dont go around tonight,
Well, its bound to take your life,
Theres a bad moon on the rise.

All right!

Hope you got your things together.
Hope you are quite prepared to die.
Looks like were in for nasty weather.
One eye is taken for an eye.

Creedence Clearwater Revival › Bad Moon Rising

Eu sou um péssimo blogueiro.

Isso, não há o que se discutir.

Eu tenho os meus momentos de sumiço e os meus momentos de quietude. Por mais tagarela que eu seja, tem aqueles dias em que eu estou ali, mas eu fico quieto. Não falo. Fico na minha.

Aqui no trabalho quando acontecem esses dias o pessoal estranha. Vem um monte de gente perguntar o que aconteceu, um monte de gente tenta desamarrar o meu bode. Não que eu goste disso. Eu só quero ficar em paz. Quieto.

O povo lá de casa já sabe identificar. “Ih, chegou o outro” eles dizem. Já sabem como lidar comigo nesses dias de humor azedo. Larguem ele quieto que isso passa.

O caso é que eu acabei transferindo esse meu humor-nada-estável-nada-agradável para a internet e aqui também eu tenho os meus momentos “me deixem em paz”. Eu não comento. Não posto. Não abro o msn e tals.

Tem dias que nem eu me aguento. Essa é a verdade.

Mas passou. Sempre passa. Aos poucos as coisas tendem a normalizar de volta.

Longo será o caminho a seguir

[youtube MlgnKYsy-LI]

Ergam seus copos por quem vai partir
Longo será o caminho a seguir
Nada será como costuma ser
Nada vai ser fácil pra você

Não faça o mesmo que fez o seu pai
Não leve armas lá aonde vai
Tantos eu já vi pagando pra ver
Não dá tempo de se arrepender
Nada que já não deva saber
Não há nada que não possa ter

Quero que a estrada venha sempre até você
E que o vento esteja sempre a seu favor
Quero que haja sempre uma cerveja em sua mão
E que esteja ao seu lado, seu grande amor

Eu me despeço de todos vocês
Muitos aqui não verei outra vez
Fora o inverno e o tempo ruim
Eu não sei o que espera por mim
Mas pouco importa o que venha a ser
Se eu tiver um dia a quem dizer

Quero que a estrada venha sempre até você
E que o vento esteja sempre a seu favor
Quero que haja sempre uma cerveja em sua mão
E que esteja ao seu lado, seu grande amor

Matanza é uma daquelas bandas estranhas, com músicas ruins de letras ruins, mas é aí que está a graça. Poucos tem coragem de cantar músicas sobre o Clube dos Canalhas, poucos tem coragem de dizer “Eu não gosto de ninguém” e menos ainda tem coragem de dizer “Nós estamos todos bêbados, bêbados de cair e os que não estiverem bêbados que dem o fora daqui”. Os caras são estilosos e tem um som viciante.

Sabadão teve show deles lá no Hangar e fomos eu, o Imediato (Ex-Mestre Elfo), o Eduardo (Ex-Pequeno Eduardo – tá maior do que eu), o Leonardo (trabalho comigo) e a Bruna (namorada do Leornardo).

Teve de tudo que teve no outro show deles: calor dos infernos, muita gente, breja, calor dos infernos, um monte de rockeiro suado, calor dos infernos e tals. O Show foi muito bacana. Tirando a demora para entrar no palco e o calor.

Somos amigos em terra, somos amigos no mar.
Juntos fomos à guerra, juntos estamos no bar!