Arquivos Mensais: junho 2008

Anti-herói?

Olá. Se você não entender partes desse post, ou se você não entender nada, não esquenta não. logo logo voltamos com a nossa programação normal.


Ahhhhhhhhhhhhhhhhhh…..

Não desisti. Ainda estou aqui.

Estive viajando a trabalho, praticamente 10 dias fora. Viajar é muito bacana, mas eu tinha deixado o meu trabalho praticamente todo acertado antes de viajar. Fique 10 dias fora e veja o Caos surgir na sua frente.

Caos.

Caos me lembra o Rapina e a Columba. Que me lembra Armagedon 2001. Uma fantástica série da DC que me influenciou muito. É, nerds são influenciados por essas coisas.

No plot da série havia dois heróis: Rapina e Columba. Os dois atuavam juntos, mas eram opostos: Enquanto Columba era extremamente pacifista, Rapina era extremamente agressivo. Eles representavam os Lordes da Ordem e do Caos. Lá pelas tantas na série, um vilão aparece e mata Columba.

Vendo a amiga Columba morrer, Rapina enlouquece. A balança pende para o lado do Caos, sem o contrabalanço da Ordem. Rapina depois acaba se tornando um dos maiores vilões do Universo DC.

Caos também é o que leva Hal Jordan a pirar e largar o manto do Lanterna Verde e se tornar Parallax. Vou fingir que nunca disseram aquela baboseira de alien amarelo. Jordan ficou louco antes de entrar em contato com ele. Aqui foi uma amarração muito mal feita (igual ao que dizem do Rapina. Eu discordo, mas tudo bem). Além do mais, o que os Guardiões fazem com ele no começo do Crepúsculo Esmeralda é sacanagem.

E ora vejam: Caos também é o que leva o Jovem Anakin a se envolver com o lado Negro da Força. Como eu disse aqui.

Caos talvez seja toda essa raiva que eu ando sentindo do mundo. Talvez eu esteja desbalanceado como o Rapina, desacorçoado como o Jordan ou mesmo cego como o Anakin.

Ou talvez não seja nada demais. Uma vez eu fiz um teste psicológico, que disse que eu preciso “investir em auto-controle da agressividade”. Eu tenho essa raiva do mundo faz tempo.

Tá, tá, tá.

Mas Armageddon 2001 tem outro lado muito bacana que me influencia muito tbem. O começo (volume 01), onde vemos o Matthew Ryder virar o Tempus. Aqueles diálogos dele, no começo da revista são demais. As imagens mostram uma batalha entre o Batman e o Super-Homem.

Heróis. Eles eram gigantes. Foi como eles ficaram nos meus pensamentos.

Não que fossem perfeitos.

Eles tinham suas falhas, tinham suas diferenças. Eu aprendi isso.

Mas aqueles indícios de fraqueza humana… de alguma forma os tornaram mais fortes para mim.

Como nós, suas emoções podiam extravasar, ficando aparentemente fora de controle… porém… poucas vezes além da razão.

A necessidade de servir a uma causa maior, sempre ia além de seus sentimentos pessoais.

Heróis.

Não sei se me identifico com eles. Eles são bonzinhos demais, doces demais, irreais demais.

Claro, estamos falando aqui do sonho de Link, Crono, Cloud, Super-Homem, Seiya e Goku. Sim, tem horas que eu me sinto como eles.

Inclusive me divirto ao pensar em meus amigos como os grupos que acompanham eles. Aquele ali seria o Frog. Aquele outro seria o Vincent. Ahahaha ele seria o Shiryu. Aquela a Chichi.

Mas não sei se eu teria toda a paz de espírito para saudar a bandeira e beijar o bebê, como o Super. Ou ainda por lutar por um mundo de coisas sem o menor reconhecimento por elas, como o Seiya ou o Goku. Na verdade, muitas vezes, eu me reconheço mais nos anti-heróis do que nos heróis propriamente ditos.

Caras mais como o Phoenix, como o Vegeta (ou mesmo o Trunks do Futuro na sua primeira aparição), um Cloud mais distante (como no Advent Children), caras como o Spawn, ou mesmo o Batman.

Não que eu ache bonito o lado Badass da coisa. Mas é que eu já passei da idade de achar as coisas bonitinhas e doces.

E heróis Badass me lembram Rock’n’Roll. Engraçado. Pode ser por andar meio com raiva, ou pode ser por causa da época do ano. Pensando agora, é engraçado como eu fico muito mais rock’n’roll no inverno. Nessa época do ano eu consigo até achar o …And Justice for All uma beleza. Dizem que as pessoas ficam mais de mau humor no inverno, pq é mais frio e tals, mas eu gosto de frio então descarto essa possibilidade.
Mas o fato é que minhas musicas sobem em escala de peso nessa época do ano.

E claro, se fosse para ser um herói eu não queria ter um tema meloso ou muito rebuscado. Teria que ser um tema Rockão. Para exemplificar, adorei a transformação do Prince of Persia em Badass no Warrior Within. Vejam o video e pensem comigo se daria certo esse cara com um teminha árabe. É, eu tbem acho que não.

Talvez analisando bem a fundo dá para ver que eu recorro sempre na discussão Ser Genérico x Ser Eu Mesmo. Bom, sendo eu mesmo pelo menos o tema musical é algo bom. Imaginem eu com um tema do Armandinho. Nãããããooooo.

Melhor Continuar com estilo.  Um dia eu chego lá.